quinta-feira, 23 de março de 2017

Era uma vez... Um Curso de Gilwell.


Lendas Escoteiras.
Era uma vez... Um Curso de Gilwell.

               Os alunos iam chegando cumprimentando e sorrindo. Julião um velho Diretor do Curso era muito conhecido em seu Estado. Idade avançada muitos haviam lhe aconselhado que desse folga a si mesmo. Chefe, estas atividades exigem muito esforço para que o curso fosse pródigo em dar o que todos precisam. Afinal ele sabia que o elixir do conhecimento era o que muitos desejavam. Seriam oito dias intensivos. Julião nunca abriu mão dos seus cursos que fossem cópias fieis ao programa editado em Gilwell Park. O presidente da Região e muitos membros formadores eram contra. - Porque só ele tem esse direito? Falar diretamente com ele ninguém tinha coragem. Afinal era um dos mais antigos formadores e só seu nome era motivo de centenas de inscritos o que dava sempre trabalho para escolha. Desta vez mais de 200 e no final foram separados os 32 primeiros inscritos.

                Julião gostava disto. Sentia-se de bem com o escotismo que praticava. Sempre acreditou que dali sairia bons chefes e com isto o escotismo só tinha a ganhar. – Chefe Julião já chegou? Perguntavam os primeiros a chegar na arena geral do campo escola. Era sempre o primeiro, mas neste chegou em cima da hora. Não comentou com ninguém a dor no peito e a falta de ar quando saia de casa rumo ao curso. Nem mesmo disse a Mama sua esposa o que sentia, pois sabia que ela iria fazer tudo para ele não ir. – Não posso ficar como um pária, um excluído sem dar minha colaboração ao meu amado escotismo. 79 anos e sabia que não iria parar nunca. Sempre diziam que ele iria viver para sempre.

                 Fez questão de cumprimentar um por um dos alunos, dar um abraço e um sorriso como se ele o aluno fosse mais importante que o Diretor. Reuniu sua equipe composta de quatro chefes e uma Chefe. Ele conhecia um por um, alguns ainda não tinha atuado com ele e iriam aprender muito. Nunca acreditou em equipe finita, pois todos deviam ter as mesmas oportunidades em ter seus conhecimentos aumentados conforme ele mesmo defendia nos seus cursos. – Podemos sim mudar se preciso, mas o que B-P deixou com seu método e o programa Escoteiro este é imutável. Nunca discutiu tais ponto de vista com nenhum outro formador. Quando faziam diferente ele comentava: - Mudam muito e ouvem pouco e o pior ficam pouco tempo para ver o que fizeram!

                 Tinha realizado duas reuniões antecipadamente com a equipe. Dois eram velhos conhecidos e os demais não. Em cima da hora pediu ao Chefe Alvorada para formar a Tropa. Fazia questão da disciplina e disto não abria mão. – Todos terão oportunidade para se manifestar no andar do curso. Isto era uma rotina onde ele ouvia um por um, seja em uma dinâmica ou mesmo nas horas de tempo livre que aproveitava para passear nos campos de patrulha e amigavelmente ouvir e quem sabe aconselhar se preciso. Apresentou-se rapidamente e pediu que a equipe fizesse o mesmo. Todos deveriam dizer sua experiência escoteira, do Formador ao aluno mais novo. Sempre dizia a si mesmo e aos demais que se você não sabe fazer a massa não sabe fazer o pão.

                 Ele tinha poucas palestras para fazer. Fazia questão dos Deveres para com Deus e disto não abria mão mesmo sabendo que esta unidade didática não mais estava sendo usada entre os formadores de então. Programando o programa, Lei e promessa e sistema de patrulha ele se sentia bem ao palestrar junto aos alunos. – Sem isto não temos escotismo, se outros não fazem é um direito deles e espero que tenham bastante experiência para contradizer e demostrar em suas tropas que o que fazem está dando certo. Após as rotinas de início, liberou as patrulhas para escolherem seus campos e deu duas horas para tudo estar pronto. Tudo? Isto mesmo. Cozinha com toldo e fogão suspenso, barracas armadas e mesa com bancos e toldo. Sem esquecer as fossas e a latrina de campo. Afinal era um curso da Insígnia de Madeira e não um curso qualquer.

                Muitos duvidavam que duas horas fossem suficiente. Mas os chefes alunos sorriam e iriam demonstrar para os incrédulos que eles não iam falhar. Julião quando viu todos pegando sua tralha e indo para seus campos começou a sentir uma dor no peito e viu que ela não iria parar. Pegou um analgésico, um copo de água e tomou. Isto sempre bastou. Não naquele dia, começou a cair e foi amparado por muitas mãos que ainda estavam ali na Arena Geral. Uma ambulância foi chamada e muitos acharam que desta vez não tinha volta. Sua família foi avisada e no leito do hospital ele exigiu que o curso não fosse interrompido. Passou o bastão para o mais antigo. Foram cinco dias entre a vida e a morte. No nono dia véspera de natal e viu que o quarto estava cheio de amigos.

              - E o curso? Perguntou. – Chefe, mesmo com a preocupação com sua saúde ele foi feito conforme suas instruções e sempre observado as exigências de Gilwell. Uma grande fotografia dos cursantes adornada em uma moldura foi entregue a ele que em posição de sentido davam seu sempre alerta ao seu mentor que não pode ir até o fim. Julião olhou para a foto e seus olhos ficaram molhados com as lagrimas que caiam. Sua esposa ao seu lado o abraçou, seus filhos vieram para ficar juntos a ele naquele instante. Julião ficou mais vinte dias no hospital. Durante mais seis anos Julião ainda permaneceu na terra, mas sem fazer o que mais gostava. O escotismo para ele estava na alma no coração e na mente.


                Faleceu aos 93 anos dois dias antes do Natal. Quem estava presente nunca esqueceu o que disse: - Mamã! Está na hora de partir. Era assim que ele chamava sua esposa. Ele chorando o beijou. Seus filhos o abraçaram pela última vez. Julião foi sepultado no dia 24 de dezembro daquele ano. Não houve milagres, pois sua hora havia chegado. Até hoje ele é lembrando pelo seu sorriso e pelo seu abraço que fazia questão de dar a cada um dos alunos que tiveram a honra de participar dos seus cursos. Na lembrança suas palavras permanecem até hoje: - Chefes aprendam muito, sorriem muito para seus escoteiros e Escoteiras, e não esqueçam nunca: - Quem não sabe fazer a massa não sabe fazer o pão!


- Julião um velho adestrador nunca mudou seu estilo em dar seus cursos. Fazia questão de na chegada e saída no final dar um cumprimento a cada um, um abraço e um sorriso com seu estilo Sempre Alerta meu amigo. Todos que participaram de seus cursos nunca o esqueceram. Suas palavras até hoje são lembradas: - Chefes aprendam muito, sorriem muito para seus escoteiros e Escoteiras, e não esqueçam: - Quem não sabe fazer a massa não sabe fazer o pão!

Nenhum comentário:

Postar um comentário