sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Contos de Fogo de Conselho. O Chefe Escoteiro infeliz.


Contos de Fogo de Conselho.
O Chefe Escoteiro infeliz.

                        Havia em um Grupo Escoteiro em uma cidade muitíssimo distante, um Chefe que foi distinguido pelo poder e honras pela sua capacidade em ensinar a seus jovens. Entretanto, não obstante seu saber e opulência nas lides Escoteiras vivia intranquilo e se sentia extremamente infeliz. Isto preocupava seus amigos do escotismo, assim como sua família e conhecidos. O Conselho de Chefes se autoconvocou para dar uma assistência especial, a fim de devolver-lhe a alegria. Mas embora houvessem feito tudo o que podiam para minorar a tristeza na qual mergulhara o seu Chefe mais querido, nada conseguiram de positivo. Todos os esforços foram insuficientes para alterar a situação e isto estava prejudicando sua Tropa escoteira e ao próprio Grupo Escoteiro.

                      Um dia chegou naquele Grupo Escoteiro uma notícia de que num pequeno vilarejo bem afastado do seu estado, vivia um Velho Chefe Escoteiro que todos chamavam de Raposa Cinzenta, notável pelo seu conhecimento e de uma piedade imensurável. Por unanimidade o Conselho de Chefes aprovou uma verba para o Chefe Escoteiro infeliz ir procurá-lo. Depois de algumas semanas de viagem, ele encontrou O Chefe Raposa Cinzenta na periferia de um povoado insignificante, nas proximidades de um local ermo e sem atrativos. Descansando sua mochila após percurso tão cansativo e angustioso, ele estava afadigado e com o semblante abatido.

                      Cansado sem maiores delongas e rodeios falou ao Chefe Raposa Cinzenta: - Sempre Alerta amado Chefe. Aqui estou depois de longa e penosa viagem, à procura de orientação que me traga a paz, a segurança e a felicidade que há tanto tempo perdi e não há quem me ajude a recuperá-las. Conto com sua sabedoria e experiência escoteira. Faça algo por mim! – Sem nada responder Raposa Cinzenta conduziu o Chefe através das veredas escarpadas da montanha ali bem próxima, até atingirem o seu ponto mais alto. Foi uma escalada penosa e cansativa.

                       Ali, no cume da montanha, os dois pararam exatamente no lugar onde uma águia havia construído o seu ninho. O Chefe estava impressionado com a imensa altura onde fora parar e sem saber por quê. Mas foi ali que Raposa Cinzenta encarando o Chefe, indagou: - Por que teria a águia construído o seu ninho aqui nas alturas? – Ora essa! – Respondeu o Chefe, é óbvio que aqui estará isenta dos perigos. – Pois bem, proceda também assim, sentenciou o Chefe Escoteiro. Construa sua casa, e sua morada no céu e terá paz, segurança, alegria e tranquilidade perene. Porque só ali essas coisas são garantidas. Na terra, jamais!

                     Pois é, a vida é assim. O Chefe desta parábola representa a cada um de nós que labutamos no escotismo e sempre sonhamos tanto com a felicidade... Mas a felicidade não está numa carreira de sucesso, em ser reconhecido com um grande líder Escoteiro. Não está na popularidade encontrada entre seus pares e nos parabéns através de promoções ou presentes em forma de condecorações recebidas. Tudo isto pode trazer alegria, mas alegria que passa se não for acompanhada daquilo que realmente importante e nos faz felizes.

                  A lição de como alcançar a felicidade está na semelhança da águia, pois construindo nossas vidas nas alturas podemos sonhar que fazendo o bem poderemos alcançar para sempre uma maneira correta de sermos felizes para sempre!


- Baseado na parábola do Rei infeliz.    

Nota de rodapé: - “Existem coisas melhores adiante do que qualquer outra que deixamos para trás.” “O que passou, passou, mas o que passou luzindo, resplandecerá para sempre”. Bom fim de semana para todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário