quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Gentil. Como se fosse ontem..


Gentil.
Como se fosse ontem...

                    - Quem é você? – Eu chefe? Um simples antigo Escoteiro. Visitando. – O que quer ver? Levantei as sobrancelhas. Suas palavras mudaram o vento do meu rumo. Francamente não esperava tal rebeldia por uma simples visita. – Trinta anos, passei trinta anos sem voltar. Quantos ainda restavam do lugar que ficou na memória? A voz parecia brotar machucando como se ele quisesse dizer que eu ali não fazia falta. – Você não pode crescer aprender e depois ir embora! Ele era mordaz. Eu pensei que sempre fui eu mesmo. – Não pode ser um destes chefes que ficam sentados falando o que pretendem fazer e nada fazem.

                  - Ele tinha razão. Ele esperava que eu tivesse dito: - Eu vou fazer e pronto. Vou imaginar o futuro sobre o prisma de um valente Escoteiro! Voltei no tempo, quanto tempo, não fiz minha história e nem sequer pensei no rumo que escolhi. – Olhei para ele, não o reconheci. Não era da minha época. Será que não era bem vindo? Perguntava-me também porque voltei. Deixei minha memória passear no tempo. Tempo? Sim naquela época os adolescentes se achavam invencíveis. Sempre com aquele sorriso malicioso e idiota estampado no rosto sempre se achando o melhor.

                 - Não posso ficar e ver a nova geração? – Ele sorriu desconfiado. Quem sabe pensou que era um daqueles que quase destruiu um trabalho feito por valentes oriundo de uma saga que hoje não tem mais. – Ele me perguntou: Você é uma pessoa escoteira? – Nossa! Que termo mais abstrato. O que significaria ser uma pessoa? Será que existimos no presente sem saber o que seremos quando deixarmos de existir? Quais seriam as regras do jogo agora e será que eu teria condições de aprender a jogá-las?

                 – Um lobo se aproximou. Dirigiu-se a ele me olhando pelo “rabo” de olho. – Akelá, faremos o melhor agora? – Me lembrei do Grande Uivo. Quantas vezes eu fiz? Quantas vezes fui eu convidado para representar a Alcateia? – Já vou serei breve rápido rasteiro. – Mas que diabos significava rápido e rasteiro? Arroz instantâneo leva cinco minutos e pudim instantâneo uma hora. Duvido que a velocidade seja medida desta forma.

                  O circulo na Roca do Conselho estava em posição. Acho que um cisco levado pelo vento resolveu pousar em meu olho. Lágrimas se fizeram instantaneamente. Como cresci meu Deus. Perdi parte da minha vida ali naquele circulo, ou melhor, será que perdi ou ganhei? Ao longe a canção se fez ouvir. Avançam as patrulhas! Que saudades. Pensei em Noal e Zezé. Ainda estão vivos? A quem perguntar? Ao chefão dos lobos ou o Grande Chefe da Tropa escoteira que adentrava na sede?

                  Eu queria ser uma pessoa dessas que tem uma vontade enorme de falar e contar as nuances do passado. Passei anos sem encontrar pessoas deste tipo. Ouve um tempo que acreditei que precisavam de mim como um cometa precisa da cauda! – Não nos conhecemos? Incrível volta no tempo. Era Noal sem tirar nem por. O Maestro dos Lobos se foi. Um abraço apertado um aperto de mão, uma saudação nos moldes militar. Cascos batidos de um calcanhar forte emplumado por um coturno que todos sempre sonharam ter.

                   - É você? Não acredito. De volta as raízes? Confesso que comecei a chorar. As saudades eram demais. Eu sabia que não devemos perder a esperança, pois se acontecer seremos irremediavelmente feridos. A vida nos faz pensar que somos invencíveis o que realmente somos. Não nascemos, nem morremos. Como toda energia, nós simplesmente mudamos a forma de tamanho e manifestação. A Tropa surda ao passado olhava com atenção.

                  - E Zezé? – Morreu. Uma resposta fria e dita de forma direta. De longe o Chefe dos lobos espiava o encontro de dois Matusaléns que encarnou ali no pátio uma memorial que jazia há tempos na vastidão do passado. Olhei para ele dei um sorriso simples e pensei que às vezes precisamos de alguém que nos ouça, que não nos julgue que não nos subestime, apenas nos ouça.

                   Fui embora despedindo de todos. Uma volta no tempo, uma lembrança perdida e reencontrada no presente. Saudades de tudo do que foi e do que ficou preso na memória do tempo. Eu sabia que tinha perdido uma coisa importante e que nunca consegui achá-la. Era como se eu tivesse perdido os meus óculos, fosse até uma óptica e descobrisse que todos os óculos do mundo tinham se acabado e que, agora, eu teria de viver sem eles.


                 Foi bom retornar. Velhos sonhos, velhos amigos e pensei quantas palavras estavam ainda escritas nas árvores daquele pátio que nunca em tempo algum me saíram da lembrança.

Nota de rodapé: - Ontem? Mas não foi hoje que vesti minha calça curta ali naquele pátio? Primeiro a azul e depois a caqui? O que eu estava fazendo de volta ao passado? Ninguém me conhecia, ninguém sabia que era eu. Mas eis que chegou Noal, amigos de patrulha e agora de distância que só cabem nas lembranças do coração. Porque não fiquei? Sem explicação. Destinos são assim, uns fazem os seus outros aceitam o que foi destinado. Uma pequena história. Bem vindos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário