quarta-feira, 11 de abril de 2018

Lendas Escoteiras. As nuvens de Outono.



Lendas Escoteiras.
As nuvens de Outono.

               Posso te ajudar meu Filho? – Me ajudar? Olhei para o Padre sem nada dizer. Nem sei por que entrei na igreja naquela tarde de outono modorrenta de um mês de agosto cujo ano nem me lembrava. Estava desanimado, apático, sonolento e forçando meu pensamento a procurar no passado quem era eu. – O Padre repetiu: - Filho, esta é a casa de Deus. Quem sabe se eu não puder Ele pode te ajudar? Senti-me indiferente com suas palavras. – Ele me deixou sozinho.

             Quieto no último banco pensei em orar, mas não sabia como. Tristonho, querendo saber quem eu era e o que estava fazendo ali. Vi que estava sobre a Nave, bem na ala central onde a maioria dos fieis se reúnem, mas vazio naquela hora. Porque não disse para ele que estava tentando lembrar e nem sabia quem era eu? No lado direito vi uma imagem da Virgem Maria. Levantei-me e fui até lá, pois alguma coisa me dizia que ela sim poderia me ajudar.

                    Ajoelhei-me a sua frente. Meu corpo tremeu e senti que a vida é como o brilho de um relâmpago no céu. Minhas memorias tinham sido levadas por uma torrente montanha abaixo. Pensei em sair dali, mas ir para onde? Uma luz ascendeu a minha frente e ouvi sua voz repetindo o que já tinha me dito um dia: - Quero apenas cinco coisas... Primeiro é o amor sem fim, à segunda é ver o outono e a terceira é o grave inverno.

                 Sua imagem surgiu em meu pensamento. Aurora! Quem seria? Uma doce namorada? Uma amiga? Alguém que repartia comigo sua vida? Ah! Nossa existência é transitória como as nuvens de outono. Não importa o nascimento da vida ou a morte irreversível que nunca nos deixará fugir. – Pai! Porque se foi? – Impossível! Aurora era do meu sangue. Minha irmã? Minha filha? Eu tinha de descobrir.

                   Um leve perfume de rosas vermelhas adentrou na igreja. Petulantemente olhei quem era. Uma menina moça de uniforme Escoteiro. Escoteiro? Como eu sabia? Já tinha sido um? Quando algo que você goste acabar, ou simplesmente ir embora, lembre-se que as folhas do outono não caem porque querem e sim porque é chegada a hora. Ela sentou ao meu lado, mas não me olhou. Parecia que falava comigo, pois num sussurro calmo a ouvi dizer: - Repara que o outono é mais uma estação da alma do que da natureza.

                  – O que ela queria dizer? Seus olhos negros me fitaram: - Chefe! Está na hora de voltar! – Voltar? Para onde? – Ela se levantou e de novo me disse: Chefe é hora de voltar. De novo Aurora me apareceu e eu só via uma menina, pequena, sorrindo e nada dizia nada falava. Ouvi alguém sussurrando novamente: - “Porque de uma coisa a gente sabe, a vida é injusta e quem devia ficar sempre vai.”.

                      Lembrei que tinha um carro. Verde abacate. Devia estar em frente à igreja. Levantei e o padre veio me dizer adeus. – Vá devagar Chefe, não corra, a vida continua e tem alguém a lhe esperar! – Olhei para ele, sorriu e se foi sem me explicar porque disse aquilo. Vi meu carro embaixo de uma árvore. Dizem que uma árvore em flor fica despida no outono. A beleza transforma-se em feiura, a juventude em velhice e o erro em virtude. Nada será sempre igual e por sinal nada existe realmente.

                     Abri a porta, sentei, coloquei as mãos no volante e uma estrada me apareceu dizendo que era por ela que devia voltar. Do outro lado da rua a Escoteira sorria e me acenou. Parti a procura da estrada do meu retorno. Embalado por mãos invisíveis cheguei à outra cidade. A reconhecia era a minha cidade. Muitos vieram à porta para me ver. Quem era eu? Quem poderia ser para ser tão aplaudido silenciosamente por muitos?

                     Parei em frente a uma casa. Uma casa simples, branca, janelas e portas azuis. Parecia ter sido pintada de novo. Quantas flores em volta mesmo sendo outono. Na varanda vi Aurora. Linda, uma menina tão linda que comecei a chorar. De alegria por ter retornado. Nunca devia ter partido. Meninos e meninas Escoteiras surgiram em todas as esquinas. Alguém falava alto para todos ouvirem. - Ele voltou! – O Chefe está de volta! Minha mente embaralhava. Aos poucos comecei a recordar.

                   Saudades de novo entraram em meu coração. Olhei para o alto, Maria Rosa sorria. Era como uma nuvem de outono me acenando. Lembrei-me de tudo. Ela tinha partido. Doutor Donato chegou para tentar me acalmar. Só me disse com os olhos rasos d’água: “Chefe porque de uma coisa a gente sabe, a vida é injusta e quem ficar sempre vai”. A mulher da minha vida tinha partido me deixou sem dizer adeus. Um ataque fulminante. Uma jovem de vinte e dois anos partindo assim era para morrer em seguida.

                  Aurora correu a me abraçar. Uma coisinha pequena, linda demais. Escoteiros e Escoteiras me abraçando. Todos dizendo que eu fiz muita falta. Eu queria chorar, mas Maria Rosa na nuvem branca do céu disse que não. Disse que eu tinha de refazer minha vida. Olhei para Aurora ela me apontou: - É sua razão de viver. E completou: - Quando algo que goste acabar ou for embora se lembre das folhas de outono. Elas não caem porque querem e sim porque chegou a hora!

                   Na entrada da cidade vi o Padre acenando. Como ele chegou aqui? – Pai, nunca mais me deixe só! – Olhei para Aurora. Chorando a abracei com força e a beijei como se estivesse beijando alguém que fazia parte de minha vida para sempre. Os meninos e meninas Escoteiras gritavam palavra de ordem. – Ele voltou! Nosso Chefe chegou para nos dar o amor que sempre deu! Agradeci e entrei em casa. Era outra casa, quando parti era penumbra agora era luz, era vida, ali morava o amor!


Nota - 'Não esqueça a sua história é você quem faz. Só depende de você. Na vida não importa como somos, o que vale é que alguém nos aprecie e nos aceite, amando-nos incondicionalmente! – Mais uma historia escoteira que foi escrita para você lembrar que a vida continua, aconteça o que acontecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário