segunda-feira, 7 de maio de 2018

Lendas Escoteiras. O Lobinho Laninho e a Festa no Céu.



Lendas Escoteiras.
O Lobinho Laninho e a Festa no Céu.

                Nada como ser um Lobo sonhador. Deixar a mente voar com o vento da tarde refrescante. Ou então sentir a brisa da manhã no rosto e sorrir. Existe coisa melhor? Participar de histórias reais onde pode ser herói, onde pudesse voar conversar com os bichos as aves os peixes e sentir seu coração bater de alegria em todos os momentos? Pois assim era o lobinho Laninho. Puro nos seus pensamentos nas suas palavras e nas suas ações. Na Matilha o chamavam de “Lobo Voador”, estava sempre sorrindo e olhando o céu, os pássaros que voavam perto, os insetos e jurou que um dia fez amizade com um Quati cinzento. Quem duvidaria?

                 A Alcateia estava acantonada no Sitio Beija Flor. Lindo local, uma cascata gostosa, muitas árvores frondosas, e bambus. Como tinha bambu. As Matilhas adoravam. Laninho era um cinzento de coração. Um ano lá com eles. Promessado e tinha a simpatia de todo mundo. Ao seu modo colaborava com a Matilha, mas era franzino e todos achavam que ele só vivia “Voando” e não contavam muito com ele. Naquela tarde após o banho todos foram ajudar a Dona Mercês que estava preparando a sopa do jantar. Laninho como sempre sentou embaixo de uma aroeira frondosa e olhava em seus galhos se tinha algum pássaro para conversar. Percebeu ao seu lado um Sapo Amarelo. Não o conhecia.

                O Sapo Amarelo o olhou e disse – Você pode me ajudar? – Ajudar? Perguntou Laninho – simples, vai ter uma festa no céu. Convidaram todas as aves e eu não posso ir. Só quem pode voar. Como me disseram que você é um Lobinho Voador, quem sabe me leva lá? Laninho sorriu. A Akelá tinha contado a historia da Festa no Céu. Na festa um urubu foi quem levou o sapo uma tartaruga e um esquilo. Eles se esconderam em sua viola, pois o Urubu era um violeiro. Lá no céu ele os viu escondidos em sua viola e jogou a todos nuvem abaixo. Quem levou a pior foi à tartaruga. Espatifou-se no chão. Mas Laninho ficou pensando se não podia levar o Sapo. Afinal ele sempre sonhou com uma festa no céu. Porque não ir? – Feche os olhos Senhor Sapo. Vamos para a festa você e eu! Só abra quando eu mandar.

                Mas o sapo não obedeceu. Abriu os olhos quando estavam sobre uma nuvem e ambos despencaram no espaço. Tiveram sorte. Caíram em um riacho de águas cristalinas. O sapo mergulhou e voltou à tona xingando Laninho. – Mas eu tentei te ajudar – falou. Nada disto. Você me soltou no espaço. Laninho chorou muito e o sapo ficou triste também. Nesta hora o Urubu Rei viu aquela choradeira e ficou com dó do sapo. – Deixa que vou levar você em minha viola. Bem como o sapo foi não preciso contar. Todos conhecem a história da Festa no Céu. Laninho despencou de um galho e caiu com tudo no chão. Não machucou, mas quando abriu os olhos viu toda sua Matilha rindo dele. – Ele também riu.

               Contou para eles que foi levar o sapo no céu e ele abriu os olhos. Não pode, ele tinha prometido. Quando estavam quase chegando os dois mergulharam no espaço e caíram no lago. – Todos riram a valer. - Esse Laninho, falou o Primo. O Segundo também rindo falou – Mas Laninho, só você e o sapo? E a tartaruga? E o Esquilo? Eles não foram? – Laninho riu e disse – Melhor perguntar a eles, estão atrás de vocês! – A Matilha olhou espantada e viu um Esquilo e uma Tartaruga rolando pelo chão e dando enormes gargalhadas!

                 Se Laninho e os bichos foram com ele a festa no céu eu não sei, mas sei que até hoje ele conta como o Urubu tocava sua viola e crocitava, fazendo coro com a Araponga e o Papagaio. Não faltando a Gralha o Cisne, a Pomba e o sabiá que gorjeava como nunca. E assim nunca mais a Matilha de Laninho duvidou de suas histórias e, todos os fogos de Conselho deixavam-no falar, cantar e contar seus contos fantásticos.

É como digo sempre, toda a história tem um fundo de verdade, mas histórias são histórias. Quem quiser mudar que conte outra. Que Laninho viveu feliz para sempre eu sabia, pois o Lobinho está sempre alegre e diz sempre a verdade. Será?
    
Nota – Durante uma festa no céu, a tartaruga resolveu se esconder dentro do violão do urubu. Chegando lá, ela dançou e cantou a noite inteira, e na hora que a festa acabou, ela se escondeu dentro do violão novamente para voltar pra terra. O Urubu começou a cantarolar e a tartaruga acompanhou. E assim foi descoberta pelo Urubu que chateado sacudiu o violão e a tartaruga caiu rachando seu casco... Uma parábola que serviu para Laninho o Lobinho participar da história. Divirtam-se ou esqueçam. Kkkkkk.

Nenhum comentário:

Postar um comentário