quarta-feira, 4 de julho de 2018

procurando Nemo



Procurando Nemo.

- Há dias rodo pelo mar azul dos meus pensamentos a procura de Nemo. O meu Nemo não é um peixe, é uma continuação da minha vida que não sei como começou. Dizem que todos nós temos muitas histórias para contar, e se elas fossem colocadas em uma folha de papel DINA4, daria mil voltas na terra e ainda sobraria espaço para continuar contando. Meu DNA é comum nada diferente dos demais amigos que me dão a honra de ler minhas parcas linhas de uma história que não sei o começo e nem o final. O Escotismo? Um prolongamento da razão em acreditar que tudo seria como o nosso Chefe Mundial pensou. Fraternidade, eu e você, nós e o mundo.

Ando procurando meu peixe, eu o chamo de Nemo, pois aquele peixinho da Disney enfronhado na história de Darla, de Dory de Marlin e de Crush a deliciosa tartaruga dos mares do sul me fizeram voltar aos tempos de menino quando zanzava por aí com meu chapéu de abas largas, meu Vulcabrás e meu lenço verde amarelo entrando nos mares para salvar a todos os peixes esquecidos em suas histórias... Sem começo... Sem fim... Sem final.

Ainda não encontrei Nemo. Ele aparece nos tempos que já se foram e nem sei se o encontrarei nos tempos que ainda vão vir. Misturo bugalhos e alhos tentando achar o meu peixinho. Ainda não voltei a pisar como pisava nas trilhas das matas do Tenente, dos picos da Ibituruna, na Serra da Piedade, nos vales dos Rios Doce e das Velhas e de tantos lugares por onde passei. Sei que minha cabeça ainda zonza dos altos e baixos desses dias sombrios, ainda acredita que vai achar seu Nemo. Não desisto. Se os Jalecos Brancos me dizem que a velhice chegou e não se pode voltar atrás nos tempos, eu digo que não.

Tenho mil histórias para contar e terei outras tantas para repetir nos fogos de conselho que tive a honra de participar, das mãos dadas, entrelaçadas saltando fogueiras, pisando descalço nas brasas nas noites de Santo Antônio e nas noites enluaradas, das estrelas perdidas no céu onde um dia vou zanzar, pisando nelas, saltando galáxias e sentindo meus instintos a descobrir a trilha de Nemo, meu peixe do passado meu peixe do presente e meu peixe do futuro.

Senhor Capitão dos Mares do céu, uma passagem só de ida, lá muito distante para além do mar azul do firmamento lá naquela estrelinha pequenininha onde vai ser minha morada, vai ser lá que encontrarei Nemo, meu peixe encantado sorrindo com a Dory com Marlin e com a bela Tartaruga Crush a me esperar para juntos escrevermos outras histórias, outras lendas, outros sonhos em redor da fogueira da vida! Até amanhã se Deus quiser!

Boa noite.

Nenhum comentário:

Postar um comentário