segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Contos escoteiros - Lorenzo.


“Lorenzo”

                  - Lorenzo, você me pede para ser Escoteiro. Conta uma parte da sua e me diz que não acredita em nenhuma religião. Promete fazer tudo para ser aceito por mim e a patrulha, mas que seja liberado da promessa, pois não irá prometer no que não acredita principalmente Deus e a Pátria. Diz você que é um humanista e agnóstico, que ninguém pode provar que Deus existe e que por isso não perde tempo em discutir religião. Ri e me repete que duas mãos trabalhando fazem mais que milhares unidas rezando.

                  - Eu disse a você que seria bem vindo, mesmo que pensasse assim. Pedi para trazer seus pais e você se recusou. Disse que eles não pensam como você e que com seus dezesseis anos já é dono de sua vida. Não quer ficar mal com eles, pois são cristãos. Diz para mim que não teme morrer, pois não acredita em céu inferno e o Paraíso. Confirma que a morte para você é um nada e por isto não tem medo da morte. Sorri dizendo que é feliz da maneira com que vive e acredita.

                    Você viu que eu fiquei calado ouvindo, pensei comigo como seria sua participação junto aos seus companheiros, se aceitaria a fé que eles têm ou sublevaria para mostrar que a fé não existe. Pensei em dizer se você nas reuniões todos orando como se sentiria sozinho sem rezar. Iria respeitar ou iria sorrir? Pensei na sua promessa assistida por todos você dizendo: Prometo fazer o melhor possível para... Sem Deus? Sem saudar a Pátria? Pensei como seria sua vivencia na natureza, prova viva da criação vendo as formigas, as borboletas coloridas, os beija flor e o cantar dos pássaros se eles também seriam como você.

                  Para você não existe o outro lado o outro lado é aqui. O que diria quando sua patrulha no alto da montanha visse um lindo por do sol e alguns iriam fazer uma circunflexão e dizer obrigado senhor por ter deixado que eu veja sua grande criação? Até pensei em um santo que dizia: - Nenhum homem diz “Deus não existe”, a não ser aquele que têm interesse em que Ele não exista!

                    Você foi embora, tentou se explicar, mas desistiu. Fiquei tristonho. Queria você Escoteiro, queria ter mais um irmão, mas você seria o único, eu e você sabíamos que não ficaria a vontade com alguém que pensa diferente de você.

Sujeito que clama e berra. Contra a vida a que se agarra,
Vive em perene algazarra, colado aos brejais da terra.
Do raciocínio faz garra, com que à verdade faz guerra,
Na desdita em que se aferra à ilusão em que se amarra.

De mente sempre na birra. Ouve a ambição que lhe acirra
A paixão que o liga à burra. Mas a luz divina jorra
E a vida ganha a desforra na morte que o pega e surra.
Alfredo Nora.


Nota - Apenas um conto. Um continho sem eira nem beira. Mas será que tenho direito de escrever sobre o tema? Como analisar tudo isso se acredito piamente em Deus? Penitencio-me, peço perdão a quem se sentir ofendido. Não quero tirar o direito de ninguém. Mas não sei se será fácil uma participação de alguém no Escotismo que não acredita em... Deus! Abraços fraternos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário