segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Lendas da Jângal. O astuto ratinho de Madame Rosinha. Histórias para lobinhos.


Lendas da Jângal.
O astuto ratinho de Madame Rosinha.
Histórias para lobinhos.

                     Lindolfo levou o maior susto. Quando ia para a reunião Escoteira naquela tarde de sábado, viu Madame Rosinha descer a escada de sua casa gritando e chorando alto. Ela dizia: “Um rato”, um enorme rato. Acudam-me! Socorro! Lindolfo era lobinho da Alcateia do Grupo Escoteiro Pico da Neblina. Já tinha feito sua boa ação, mas resolveu fazer mais uma. Porque não? Partiu célere escada acima a procura do famigerado rato de Madame Rosinha. Em todos os cômodos ele procurou e quando ia sair viu um ratinho muito pequeno, raquítico, magro, com cara chorosa em cima do armário da cozinha. Estava com a vassoura na mão e pensou em dar uma vassourada nele ou uma caricia. Achou que ele precisava mais de uma carícia.

           Ao sair disse para Madame Rosinha que não se preocupasse. Quando terminasse a reunião viria com sua matilha e pegariam o famigerado rato. Fique Calma Dona Rosinha. Ele sabia que sua Matilha não tinha medo de nada! Na reunião comentou com a matilha sobre o ratinho. Explicou que era um “coitado” e precisava e ajuda e não ser morto. Liz não concordou. Ela morria de medo de ratos. Dayane ficou na duvida. Robertinho riu e falou – Vamos acabar com a raça dele! Miltinho e Naninha ficaram do lado de Lindolfo.

           A Akelá Safira comentou com o Balu Nonato que comentou com a Bagheera Olhos Negros que a matilha vermelha estava estranha. – Viu como eles só ficaram cochichando hoje? O Balu Nonato era muito amigo de Miltinho, mas ele não contou nada. A reunião terminou com todos dando o melhor possível e dizendo para os chefes – Obrigado Chefe pela linda reunião. O senhor sabe que tenho orgulho de nosso Grupo Escoteiro! Era assim os meninos do Grupo Escoteiro Pico da Neblina.

             A mãe de Aninha estava esperando o fim da reunião. Ela pediu a mãe para ir com a matilha. Iam fazer uma boa ação. Dona Nivea era uma excelente mãe e não se opôs. Mal chegaram à casa de Madame Rosinha e viram o ratinho chorando em cima do armário. Foi Lindolfo que se aproximou pé ante pé e disse no ouvido do ratinho: Calma, vamos levá-lo para outra casinha. Vai ter tudo que tem direito. Miltinho já estava com a caixinha e colocaram o ratinho dentro dela e foram embora. Tinham comprado queijo e uma vasilha de água.

              O ratinho estava com fome. Muita. Comeu tudo! E agora? Onde vamos levá-lo? Todos viram que em suas casas seriam impossível. O medo de rato era comum em todas as famílias. – Já sei! Disse Naninha, vamos voltar à sede. Seu Caloso o Mestre Pi ainda deve estar lá. E quando chegarmos vamos levar o ratinho para a Gruta da Alcatéia. Escondemos a caixinha atrás da caixa de nossa matilha e nos revezamos durante a semana para vir alimentá-lo! Todos concordaram.

              Assim trataram o Tibinho (nome que deram ao ratinho) por quase dois meses e foi então que o pior aconteceu. A Akelá Safira foi mexer lá e viu o rato. Uma gritaria danada. Saiu correndo e pedindo socorro. Custaram a explicar a ela o que tinha acontecido. Ela deu um ultimato – Depois do acantonamento não quero ver ele mais. E agora? Na reunião de matilha chegaram a uma conclusão – Vamos levá-lo junto ao acantonamento. Lá quem sabe descobrimos um local onde ele pudesse viver para sempre? E assim foi feito.

            Na primeira noite do acantonamento aconteceu a maior alegria da matilha. As mães que foram cozinhar saíram gritando e berrando! Um rato! Não era um só eram vários. Agora sim. Descobriram a cidade onde o Tibinho podia morar.  Soltaram-no à tardinha. Tibinho olhou para eles e para seus amigos ratos. Olhou de novo para eles. Uma duvida ficou na sua mente. Ficar com os lobinhos ou seus irmãos ratos? Uma ratinha linda se aproximou e se esfregou nele. Pronto. Resolvido. Lá foi Tibinho com sua namorada e seus novos irmãos. A Matilha Vermelha ficou chorosa. Em todos os olhos lágrimas desciam, mas sabiam que esta seria a melhor maneira e a melhor ação que deveriam tomar.


             Por muitos anos a matilha vermelha pedia aos pais para passarem um domingo a cada dois meses no local do acantonamento. Os pais não sabiam para que, mas a Matilha Verde sempre se encontrava com Tibinho, até que um dia ele e Tibinha chegaram com vários filhotes. Foi uma festa. Uma alegria para a Matilha Verde. E assim acaba esta história. Uma união de lobos, todos pensando em fazer o bem. Lembra sempre que o Lobinho pensa primeiro nos outros, abre os olhos e os ouvidos, está sempre alegre e diz sempre a verdade.   

Nota -  Uma história simples, quem sabe possa sugerir que o lobinho pensa primeiro nos outros? Mas um rato? Não era um simples rato. Era amigo, precisava de um amigo e a Matilha o adotou com carinho e fraternidade. E foi assim que “Tibinho” um ratinho feliz foi morar para sempre em Seeonee terra dos lobos irmãos! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário