domingo, 11 de março de 2018

Lendas Escoteiras - Nada é para Sempre!



Lendas Escoteiras.
Nada é para sempre.

                      Vitória... Lembro-me dela, uma menina triste, fechada em si mesma, de casa para a escola e vice versa. Fins de semana sim outros não ia com sua mãe passear na Praça da Inconfidência.  Não conheceu seu pai. Sua mãe se fechava e nada dizia sobre ele. Vitória era daquele tipo que vivia em si mesma, sem amigas e só ouvia Noêmia que gostava de falar, de falar... Noêmia era de bem com a vida. Vitória pensava que podia ser assim, mas por mais que tentasse nunca conseguiu se abrir com ninguém.

                     Vitória nunca esqueceu o dia que Noêmia, displicentemente a convidou para entrar nos escoteiros. – Coisa de meninos disse ela. – Não Vitória, agora aceitam meninas. Conversou com sua mãe. Um sorriso aflorou no rosto dela. Quem sabe um lugar para ela sorrir? – Irei com vocês. Dizem que nada é para sempre, dizem que a momentos que parecem ficar suspensos, pairando no ar sobre o fluir inexorável do tempo. E foi assim que Vitória mudou sua vida. Transformou-se em uma jovem menina feliz alegre e jovial.

                        No primeiro acampamento ficou encantada. Os pássaros quase pousando em suas mãos, a mata verdejante, o chuá, chuá da pequena cascata a barulhar em volta do seu Campo de Patrulha. A liberdade de fazer, de construir de se sentir alguém importante na Patrulha, a vontade de ajudar, de dizer que encontrou o seu lugar no mundo que achava tinha se fechado para ela. Eram vinte e duas meninas em uma tropa que exalava alegria e felicidade. Vibravam a cada segundo encantadas com vida diferente, soltas ao vento que vem e vai.

                       Amava o luar noturno, o sol vermelho, o fogão cozinheiro, o banho gelado, o cantar do bem-te-vi, o fogo mateiro, o fogo do conselho. Para ela tudo era uma nova vida a desabrochar. Quantas coisas ela aprendeu a fazer e a usar com suas próprias mãos para fazer a vida na natureza. Lembrava-se de Naty no dia que declamou em volta de uma pequena fogueira em frente à barraca, versos que marcaram para sempre: - “Em todas as idas e vindas, obscuramente eu sempre sabia: embora tudo mude nada muda por que tudo permanece aqui dentro, e fala comigo, e me segura no colo quando eu mesma não consigo sustentar. E depois me solta de novo, para que eu volte a andar pelos meus próprios pés”. – Foi lindo demais.

                      Ela tinha lido de um poeta que nada dura para sempre, nem as dores, nem as alegrias. Tudo na vida é aprendizado e tudo na vida se supera. Tudo o que é belo é uma alegria constante. O seu encontro cresce; e não cairá no nada. Mas guardará continuamente para nós um sossegado abrigo, e um sonho todo cheio de doces sonhos de saúde e calmo alento.

                      Nada dura para sempre? Pensava no hoje sem esquecer o ontem. Sabia que seu sonho simplesmente acabou. Desmoronou. Seu amor, sua paixão escoteira escorregou nos dedos de sua mão. – Vitória, é hora de partir. Ela olhou para sua mãe sem entender. Por quê? Sua mãe chorou. Abraçada ela chorou também. Vamos mudar para outra cidade. Melhor emprego, melhor salário. Ela não entendia, não queria e verteu como uma tristeza incessante lágrimas na hora da partida.

                     A Patrulha cantou que não era mais que um até logo, mas ela sabia que seria para sempre. As pessoas crescidas têm sempre necessidade de explicações... Nunca compreendem nada sozinhas e é fatigante para as crianças estarem sempre a dar explicações.

                       O tempo passou. Vitória cresceu, virou mulher. Não casou nunca encontrou seu príncipe e nem sabia se um dia ele iria aparecer. Ela repetia em seu pensamento as palavras da poetiza: - “O amor não existe, e, se existe não dura pra sempre. E, se não dura pra sempre, não é amor. E nada dura pra sempre.” Formou-se em psicologia. Preferiu escrever. Escrevia sobre tudo e sabia que não seria uma escritora de talento, mas era o que gostava.

                      Um dia voltando do trabalho resolveu parar no Parque Trianon. Sentou a sombra de um cajueiro, fechou os olhos e voltou ao passado. Ah! Quanto pagaria para voltar a acampar? Lágrimas apareceram. Sentiu um soluço ao seu lado. Olhou. Era uma menina como ela um dia foi. – O que ouve mocinha? Ela com os olhos rasos d’água olhou para Vitória e suspirando disse: - Mamãe não quer me deixar acampar!    

                     Incrível! Nada se compra a dor de um destino alterado que ela pensou ser para sempre. – Onde está sua mãe? – Ela apontou... Uma senhora simples tentando sorrir para o caçula que brincava no escorregador. Aproximou-se – Senhora posso lhe falar? Um sorriso simples, uma calma sincera. – Fui escoteira, amava a vida que levava. Adorava acampar. Lá no campo meu sonho se transformava em realidade. Sentia a brisa na face, ouvia rincões de vales que falam sem a gente perceber, via a lua chegar dizendo eu estou aqui até que ela partia e alguém dizia: - Sol volte amanhã!

                    – A senhora olhou espantada. – Vitória continuou. Quero ajudar. Não quero esquecer meu passado. Tive tudo e hoje não tenho nada. Tudo resolvido ela e a jovenzinha foram para a sede. Uma alegria, um sonho vivo no real. Interessou-se por tudo. Mais moderno, não como antes, mas o mesmo rompante das jovens que iam acampar.

                     Ela sabia, tinha certeza que mesmo sabendo que nada é para sempre, nada se compara à dor de um destino alterado por uma vida. Ela podia mudar. O destino lhe pertencia, não deixaria sem direção sem caminho a seguir. Vitória sabia que não se volta no tempo, mas podemos mudar quando quisermos e seguir à onda do mar. Depois de tanto tempo ela entendeu que a gente só dá valor quando perde, que não existe destino, porque se você mudar uma peça do seu presente, ela pode mudar todo o seu futuro.

                  Vitória sabia que não adiantava lamentar pelo que não fez, e se arrepender do que fez de nada vale. Não adianta sofrer e se martirizar por um bom tempo, ou talvez pra sempre, mas com certeza isso não vai edificar nada na sua vida, só vai te fazer lembrar coisas que não te fazem bem, e que não vão fazer você evoluir. Portanto era hora de mudar, refazer sua vida e porque não voltar a acampar?

Nota - Percebe a tua pressa, onde você está indo que sempre se julga estar atrasado. Nada nesta vida tem um horário mais marcado que a sua felicidade, mas que felicidade, estou falando? Ora, da felicidade interior, aquela que aquieta a alma e embala o espírito. A pressa não combina com a harmonia, ela destoa na perfeição. Uma pequena história um sonho desfeito, mas nada dura para sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário