sábado, 23 de junho de 2018

Contos de fogo de conselho - Madalena



“Madalena”.

                      Mamãe! Eu nunca deveria ter nascido! Não posso ser escoteira? – Ouvir sua filha dizer isto machucava, era como se ela cravasse uma faca em seu coração. Como mudar isto? Ela não conseguia lutar contra as opiniões e os valores desta sociedade tão cheia de conceitos, preconceitos, crenças e valores que eram tabus em pleno século 21. Separar? Deixar o amor que ela tinha por Verônica? Seus pensamentos voaram ao passado. Amigas no trabalho, nunca sentiram nada por outra mulher e sem perceber o sentimento nascia aos poucos. Difícil explicar a quem não entende ou não passou por isto. Afinal amor entre duas pessoas do mesmo sexo não era tolerado na sociedade local de Monte Verde. Mas elas resolveram assumir. Esconder? Quando se ama de verdade não existem barreiras. Veronica era negra e Madalena Branca. Pior ainda. Prometeram viver suas vidas sem se preocupar com o que os outros iriam dizer. Madalena nunca esqueceu o primeiro abraço e o demorado primeiro beijo.

                    As famílias de ambas as abandonaram. Madalena tinha uma filha do seu casamento com João que a deixou para viver com outra. Ambas adotaram Ruth como um objetivo para vencer todos os obstáculos. Na escola foi difícil. Elas foram várias vezes conversar com a diretora. Ruth era humilhada constantemente por suas colegas. Tudo piorou quando Ruth pediu para entrar nos escoteiros. Quem sabe lá eles eram mais liberais? – Sinto muito senhora. Não podemos aceitar. O que direi para nosso Presidente do Grupo? Como explicar isto as mães que trabalham nas sessões? E os pais? Isto foi demais. Afinal se duas pessoas se amam e não podem viver este amor quem pode impedir que ele fosse realizado? Ruth chorou dias e dias. Ela sofria com as admoestações na rua e até mesmo quando foi confessar o Vigário a repreendeu. Afinal era uma menina de nove anos e o Vigário nunca teria este direito.

                     O Chefe Lobato se revoltou. Não podemos ser assim dizia a todos os chefes. Direitos de uns e não de todos? Que escotismo é o nosso? Somos uma fraternidade ou tentamos enganar a dizer que somos? Exigiu um Conselho de Chefes. Poucos compareceram. Era melhor fingir de morto do que dar uma opinião. Lobato ameaçou ir à imprensa. Daria seu testemunho à rádio local. O Comissário do distrito tentou dissuadi-lo. Um oficio da Região o mandou obedecer e não discutir, pois se não seria exonerado. Um absurdo. Ele não se deu por vencido. Foi à casa de Madalena e conversou com ambas. Estou saindo do Grupo, vou organizar outro. Conto com vocês para me ajudarem. Assim foi feito, mandou o registro para a Direção Nacional. Aprovaram, pois não sabiam da história.

                       O tempo é o senhor da razão. Os pais e a sociedade de Monte Verde a principio não aceitou. Depois aprovaram com ressalvas. Admiraram a coragem daquelas duas mulheres que enfrentaram de frente sem esconder o melhor caminho para ser feliz. O grupo vai bem. Ruth hoje é Lis de Ouro. Madalena que tinha perdido o emprego foi chamada de volta. O antigo Grupo Escoteiro se arrependeu. Hoje vivem em perfeita harmonia. Foi então que algum extraordinário aconteceu. O Chefe Lobato apresentou Diógenes com quem vivia há muitos anos. O Doutor Laercio Juiz de Direto amava outro homem e nunca mais escondeu o amor que sentiam um pelo outro. São histórias e historias podem ser verdadeiras ou não. Mas julgar alguém não é tarefa fácil. Como dizia o poeta julgar os erros dos outros é fácil. Difícil é corrigir os seus!


Nota - Amor, vida, paixão, carinho, prazer, preocupação, bem querer, alegria, compreensão, amizade, gratidão, companheirismo, solidão, felicidade, sintonia, energia, afeição, química, sentimento... Duas almas ligadas por um só objetivo... Ser feliz! Uma história para pessoas maduras e sem preconceitos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário