domingo, 8 de abril de 2018

Lição de Baden-Powell O Uniforme Escoteiro.



Lição de Baden-Powell
O Uniforme Escoteiro.

Nota – Em nome do moderno, da nova filosofia do fazer como acredita, nos dizeres que precisamos mudar e se BP estivesse vivo também estaria mudando, muitos acreditam que vestir o que agrada tem mais valor do que vestir o que não gosta. A vestimenta foi criada por poucos, sem consulta, sem perguntar e foi sacramentada. Nada contra. Se pelo menos não houvesse essa pluralidade de escolha que na minha interpretação não condiz com o garbo escoteiro eu até poderia aceitá-la. Não importa a cor ou o estilo importa o garbo na apresentação.

- Recebi um e-mail de um Chefe escoteiro que me perguntava: Porque não publica fotos de jovens e chefes usando a Vestimenta Escoteira da EB? – Boa pergunta. Sei que tenho uma pequena “pendenga” com a vestimenta. Se tivessem feita uma consulta ampla o que não existiu, poderia dar meu aval mesmo sabendo que minha maneira de pensar não tem a menor importância para a liderança e para aqueles que a adotaram. Uma pesquisa mostraria até que ponto estou errado.  

- Sei que o escotismo é feito no coração e não no uniforme, mas usamo-lo tão pouco, duas ou três horas aos sábados que me pergunto: - Não seria a hora de fazermos nosso marketing? Porque muitos na mesma sessão usam como querem e não há igualdade na apresentação? Liberdade? Quando encontrar uma boa foto, como todos mostrando orgulho do que vestem, uniformizados e garbosos terei satisfação em postar. Não sou o dono a verdade, nunca fui. Mas tenho meus direitos de escolha e disso não abro mão. Vejam o que escreveu Baden-Powell:

Eu frequentemente já tenho dito:

"Nenhuma importância tem que um Escoteiro ande uniformizado ou não!” 
O que vale é que ponha seu coração no Escotismo, engaje nele o seu espírito e cumpra a Lei Escoteira! Mas o fato é que não existe um escoteiro, que podendo comprar o uniforme, deixa de fazê-lo.


O espírito estimula a usá-lo. A mesma observação aplica-se, naturalmente, àqueles que se dedicam ao Movimento: os chefes e comissários. Eles não têm propriamente obrigação de usar o uniforme; poderiam deixar de fazê-lo se quisessem; mas em seus cargos e funções, têm que pensar nos outros antes de pensarem em si.


Eu, pessoalmente uso meu uniforme ainda que seja para inspecionar somente uma patrulha. Tenho certeza que isto aumenta o tônus moral dos jovens. Isto exalta-lhes a estima e admiração por seu uniforme, ao verem-no digna e orgulhosamente usado por adultos e de responsabilidade. Sentem-se enaltecidos por serem levados a sério por um adulto que também julgam importante pertencer à mesma fraternidade que eles.


O garbo e a elegância no uso do uniforme e a correção dos detalhes podem, talvez, parecer coisa fútil e sem importância. Muito pelo contrário, desenvolvem amor-próprio e exercem grande influência na reputação do Movimento perante o público, que julga pelas aparências. Nesta matéria, o exemplo é tudo!


Apresentem-me uma tropa descuidada com seus uniformes e eu (sem ser Sherlock Holmes!) poderei deduzir que seu chefe é negligente com seu uniforme escoteiro. Você deve pensar bem nisto, quando estiver envergando seu uniforme ou dando um toque pessoal impróprio a ele. Você é modelo para os jovens e seu garbo e elegância vão refletir neles.


Nota – Um vizinho que me conhece como escoteiro, me perguntou quem eram aqueles que desfilaram com um novo tipo de uniforme, muitos desiguais, com camisa fora da calça, sem o meião conhecido, coberturas diferentes, meias de cor diferente e sapatos de várias cores. – São escoteiros? Me perguntou sorrindo. Tentei explicar e não sei se ele entendeu. Pelo sim pelo não essa foi à impressão que ele teve dos novos uniformes. Nada mais a dizer...

Nenhum comentário:

Postar um comentário